Ouça agora na Rádio

N Notícia

Por que apenas Rússia continua buscas por submarino San Juan?

FOTO: © AP Photo/ Courtesy of Argentine Navy

Por que apenas Rússia continua buscas por submarino San Juan?

Apenas a Rússia continua as buscas do submarino desaparecido San Juan. O especialista militar explica por que é necessário continuar apoiando as buscas do submarino argentino.

Todas as informações compartilhadas Sputnik Brasil

Segundo Marcela Moyano, esposa de um dos tripulantes do submarino, Hernán Rodríguez, somente o navio de pesquisa da Marinha da Rússia, Yantar, continua as buscas pelo submarino argentino ARA San Juan desaparecido. Os familiares dos tripulantes exigem que as autoridades usem mais meios para procurar o submarino.

Konstantin Sivkov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, explicou por que os especialistas russos realizam buscas do San Juan. 

"O submarino está a uma grande profundidade – cerca de 500 metros ou mais. Podemos realizar tais buscas. Os norte-americanos também têm tecnologias suficientes, mas parece que perderam o interesse pelas buscas do submarino. Por que é necessário continuar buscando? Primeiro, para determinar a causa do desaparecimento e impedir a possibilidade de tais tragédias no futuro. Segundo, os marinheiros mortos devem ser enterrados dignamente", disse o especialista.

Anteriormente, o ex-analista da Agência de Inteligência Naval dos EUA (ONI, na sigla em inglês) revelou em seu relatório que o San Juan foi totalmente destruído na explosão. Enquanto Sivkov, não concorda com o pressuposto de que o barco foi completamente destruído.

"É possível encontrar o casco do submarino e revelar a razão da explosão", concluiu ele.

O submarino argentino ARA San Juan, com 44 tripulantes a bordo, parou de emitir sinais de comunicação em 15 de novembro de 2017, durante uma patrulha de rotina no Atlântico Sul, perto da costa da Argentina. Na sequência do desaparecimento, foi lançada uma grande operação internacional de busca e resgate envolvendo embarcações e equipamentos de diferentes países. Em 30 de novembro, a Marinha da Argentina anunciou o encerramento das suas atividades de resgate, mas destacou que os trabalhos para localizar o submarino iriam continuar.

FONTE: SPUTNIK BRASIL
Link Notícia